14 de jul de 2008

Máscara

máscara

consumido
pelo fogo da escravidão &
arrastando
o vital da existênciano
corpo químico
do poema
o
poeta tece
uma máscara
de quebradiças folhas
caídas
da árvore da cegueira &
dobra
os joelhos
ante a
impiedosa

tessitura
do
desprezo
resta um
rumor entrelaçado
ao
aniquilamento
dos peixes
de neon

Autoria: Pedro Vianna

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva sua dúvida no campo de mensagem acima e coloque seu e-mail, para que possamos retornar.
Um grande abraço e MUITO obrigada!

Giovana Paola