Máscaras de festa, casamentos, debutantes, eventos em geral.

Portfólio: Máscaras

Orçamento: puraartemascaras@gmail.com

WhatsApp/ Cel: 024 988489591 seg a sex das 9h às 18h

Gallery

31 de out de 2011

On segunda-feira, outubro 31, 2011 by Giovana Paola in , ,    No comments

Carlos Drummond de Andrade

Aos que me dão lugar no bonde
E que conheço não sei de onde,
Aos que me dizem terno adeus
Sem que lhes saiba os nomes seus,
Aos que me chamam de deputado
Quando nem mesmo sou jurado,
Aos que, de bons, se babam: mestre!
Inda se escrevo o que não preste,
Aos que me julgam primo-irmão
Do rei da fava ou do hindustão,
Aos que me pensam milionário
Se pego aumento de salário
- e aos que me negam cumprimento
Sem o mais mínimo argumento,
Aos que não sabem que eu existo,
Até mesmo quando os assisto.
Aos que me trancam sua cara
De carinho alérgica e avara,
Aos que me tacham de ultrabeócia
A pretensão de vir da escócia,
Aos que vomitam (sic) meus poemas
Nos mais simples vendo problemas,
Aos que, sabendo-me mais pobre,
Me negariam pano ou cobre
- eu agradeço humildemente
Gesto assim vário e divergente,
Graças ao qual, em dois minutos,
Tal como o fumo dos charutos,
Já subo aos céus, já volvo ao chão,
Pois tudo e nada nada são.

Reverência aos 109 anos do nascimento de CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE  
Poeta nascido em Itabira, Minas, em 31 de outubro de 1902. Drummond morreu no Rio de Janeiro em 17 de agosto de 1987 aos 84 anos.
VisualizarVisualizarVisualizarVisualizarVisualizar
emailp
Receba as novidades
Pura Arte em seu e-mail.

0 comentários:

Postar um comentário

Escreva sua dúvida no campo de mensagem acima e coloque seu e-mail, para que possamos retornar.
Um grande abraço e MUITO obrigada!

Giovana Paola